MONAGAS: um time que já entrou para a história como inédito campeão venezuelano

Foto: Instagram do Monagas

JOGOS CONTRA O GRÊMIO: dia 4 de abril, em Porto Alegre, pela 2ª rodada; dia 15 de maio, em Maturín, na Venezuela, pela 5ª rodada.

O Monagas já entrou para a história. O clube fundado em 1987, e que leva o nome do Estado em que está situado, jamais havia sido campeão venezuelano. Conquistou este feito ao bater o tradicional Caracas, ainda na metade de 2017, pela final do Torneo Apertura e se credenciar para encarar o Deportivo Lara, campeão do Clausura. Após derrota em casa por 1 a 0, o time azul-grená venceu por 2 a 0 na casa do inimigo, com o gol do título sendo marcado a oito minutos do apito final. Consequentemente, a equipe da cidade de Maturín (de mais de 300 mil habitantes) disputará sua primeira edição de Libertadores da América – embora já tenha disputado três Copas Sul-Americanas.

O meia Luis González, de 27 anos, já é a primeira contratação para 2018. Aliás, é um retorno, já que após se destacar no título do Apertura, acabou negociado em agosto para o FC Dallas, dos Estados Unidos. Em contrapartida, perdeu o atacante Anthony Blondell, vendido ao Vancouver Whitecaps, do Canadá. O atleta de 23 anos foi o autor de um dos gols na final contra o Deportivo Lara, e artilheiro do campeonato venezuelano com 19 gols.

– COMO JOGA?

A camisa se assemelha a do Barcelona, mas o futebol, obviamente, está bem distante. O técnico Jhonny Ferreira arma seu time no 4-3-3, usando muito os lados do campo para atacar, com bastante cruzamentos em direção ao centroavante. Assim, consagrou-se Blondell. Mas também merecem destaque os ágeis ponteiros: Yohanner García, de 18 anos, e Luis Guerra, de 21. O meio-campo em forma de tripé é mais experiente, com todos jogadores acima dos 30 anos. À frente da zaga, o colombiano Palacios; mais à direita o também defensivo Javier García, enquanto à esquerda aparece o canhoto Christian Flores, ex-jogador do Caracas, de característica mais ofensiva. A dupla de zaga é argentina, embora nenhum dos dois jamais tenha atuado em um grande clube de lá: Lencinas e Trejo. Nas laterais, o canhoto Óscar González é mais defensivo que o destro Bracho. No gol, Alain Baroja (ex-goleiro do Caracas) desbancou o experiente Ángel Hernández, de 37 anos.

Adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *