Contra o Goiás, um Inter mais organizado dá indícios de onde poderá jogar D’Alessandro

Mesmo com as estreias de Camilo e Damião, Inter não abandonou o 4-1-4-1

Você pode até questionar se os pênaltis foram bem marcados ou não, só não pode questionar a vitória colorada por 3 a 0. O técnico do Goiás, Argel Fucks, chegou a falar em “jogo equilibrado“. Um absurdo completo! O Inter teve mais posse de bola (56%), 11 finalizações à meta goiana e sofreu apenas uma, além de 87 passes certos a mais do que o rival. Uma vitória incontestável, numa atuação que pode ser classificada como das melhores do ano até aqui. Estamos diante do campeão? Calma! A comparação é do Inter com ele mesmo. E, convenhamos, o cenário já esteve muito pior! Agora o caminho parece desenhado, só não pode sair dos trilhos.

Guto Ferreira repetiu o 4-1-4-1 que havia vencido o Oeste, promovendo as estreias de Camilo no lugar de D’Alessandro (suspenso) e Leandro Damião em Nico López. Com ambos, ganhou respectivamente melhoria na construção de jogo e maior combatividade na frente. Aliás, o time melhorou consideravelmente na pressão sobre o adversário. Claro, com a bola no pé, trabalhou-a melhor e recorreu menos aos cruzamentos. Foram 22 em todo jogo – a quarta partida em que menos cruzou em toda a competição. Em cima disso também, é preciso dizer que nos jogos que cruzou menos, venceu: 3×0 Londrina (15 cruzamentos), 4×2 Náutico (18) e 2×1 Figueirense (18). O Inter está entre os times que mais cruza para a área rival nesta Série B, e D’Alessandro é o que mais recorre a este item: nem sempre corretamente. Isso quer dizer que ele deva sair do time? Não necessariamente. O desafio de Guto será justamente adaptar o camisa 10 ao seu modelo de jogo.

Com D’Alessandro pelo meio, Camilo terá de ocupar a extrema-esquerda. Com o argentino aberto à direita, Pottker terá de inverter o lado do campo

No segundo tempo contra o Goiás, Guto já de um indício de como D’Alessandro pode ser aproveitado. Eduardo Sasha sentiu dores no ombro e a opção foi por Felipe Gutierrez. O chileno, no entanto, passou a ocupar a vaga de volante pela esquerda, fazendo com que Camilo atuasse mais aberto pelo lado canhoto. Com o argentino de volta, o lugar a ser ocupado seria o do chileno, enquanto Sasha sentaria no banco. O desafio será não perder profundidade pelo lado esquerdo, mas é algo a ser testado! Outra alternativa é devolver Camilo ao miolo do meio-campo, deslocar Pottker para o lado esquerdo e D’Alessandro jogar aberto à direita, como gosta. Pesa contra ele o fato de ter que descer até a intermediária para fechar a linha de quatro e acompanhar a subido do lateral adversário. Situações a serem treinadas até o próximo compromisso, sábado contra o Guarani. De fato, parece que Guto encontrou uma maneira de jogar. Agora é só acomodar as peças e deixar que o Inter volte ao rumo.

1 Comentário

  1. Luan 2 de agosto de 2017 Reply

Adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *