Como imaginar a Seleção Brasileira daqui a quatro anos?

Foto: Fifa.com

*com a contribuição de Carlos Guimarães

Em 2014, logo após o 7 a 1, fiz um exercício: imaginar qual seria a Seleção Brasileira para a Copa do Mundo na Rússia. Acertei em algumas projeções (poucas, é verdade), e errei em tantas outras. Errei feio! Mas gostei do exercício – que você pode conferir aqui. Nesta sexta-feira, horas depois de ver o Brasil eliminado para a Bélgica, vou repetir a dose. Basta olhar os atuais convocados e imaginá-los quatro anos mais velhos no Qatar. Além disso, observar quais jogadores estão surgindo. Tudo isso partindo do pressuposto que Tite irá continuar como treinador (muito mais desejo e opinião do que informação).

– GOLEIROS:
Alisson (terá 29 anos) e Ederson (28), se mantiverem o alto nível, podem chegar ao Qatar mais experientes. Cássio (35) é quem pode dar espaço para um jovem que vier surgir para ocupar a terceira vaga – ou então outro arqueiro que esteja se destacando no futebol brasileiro.

– LATERAIS:
De todos, somente Danilo (30) pode chegar à próxima Copa. Resta saber se continuará atuando em alto nível até lá. Dos demais, possivelmente foi o último Mundial de todos – Fagner (33), Marcelo (34) e Filipe Luís (36). Daniel Alves (39), que não foi convocado por lesão, nem se fala! A renovação do lado esquerdo parece mais fácil: Wendell (Bayer Leverkusen-28), Jorge (Monaco-26) e Guilherme Arana (Sevilla-25) são nomes a serem observados. Para a direita, é difícil. Na geração olímpica, o lateral foi Zeca (28), hoje no Inter. Porém, ele precisaria de uma experiência na Europa para se consolidar.

– ZAGUEIROS:
Com exceção de Marquinhos (28), a renovação deve ser total. Thiago Silva (37), Miranda (37) e Geromel (36) terão idades avançadas. Rodrigo Caio (São Paulo-28) e Jemerson (Monaco-29), que estiveram no radar de Tite, chegariam mais maduros. Precisariam desenvolver suas carreiras no Exterior. A outra vaga seria de algum atleta que atue em clube brasileiro e esteja se destacando no momento do Mundial – assim como já ocorreu com o gremista Geromel neste ano.

– MEIAS:
Ok, Casemiro (30), Fred (29) e Philippe Coutinho (30) podem chegar à próxima Copa, mas certamente outras vagas serão abertas, já que Paulinho (33), Fernandinho (37), Renato Augusto (34) e Willian (33) dificilmente chegarão no Qatar em alto nível. Fabinho (Liverpool-28), que também faz a função de lateral-direito, surge como postulante. Arthur (25), do Grêmio – mas de malas prontas para Barcelona -, é a principal aposta para o setor. Da mesma geração, aparecem: Doulgas Luiz (Girona-24), Liziero (São Paulo-24), Maycon (Shakhtar Donetsk-24) e Wendell (Sporting-24). Walace (Hannover-27) Felipe Anderson (Lazio-29) e Rafinha Alcântara (Internazionale-29), que estiveram no grupo que conquistou o ouro olímpico em 2016, têm a seu favor a experiência e não podem ser descartados.

– ATACANTES:
Apesar do fraco desempenho na Rússia, Gabriel Jesus (25) tem tudo para ter presença garantida na próxima Copa. Taison (34), que já foi uma surpresa para muitos, dificilmente chegará. Neymar (30), Douglas Costa (31) e Roberto Firmino (30) dependerão da questão física – já que garotos vão surgir e podem chegar melhores preparados. No entanto, é preciso saber se essa garotada irá vingar: Vinícius Jr (Flamengo-25) e Rodrygo (Santos-25) precisariam driblar a pressão de vestir a camisa do Real Madrid; enquanto Felipe Vizeu (Flamengo-25) terá que usar a Udinese como um trampolim para um clube maior da Europa. Caminho semelhante deve levar Lucas Paquetá (Flamengo-24) e Pedro (Fluminense-25) ao Velho Continente em breve. Por isso, Malcom (Bordeaux-25), Richarlison (Watford-25) e David Neres (Ajax-25), que já estão por lá, podem levar uma certa vantagem.

Sem Comentários

Adicionar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *